Arquivo da tag: poesia

Paulo Leminksi

Por essas razões desconhecidas da vida, nunca escrevi sobre Paulo Leminski em mais de 1 ano de blog. Vacilo imperdoável.

Leminski é um dos maiores poetas brasileiros, mestre dos hai-kais e de uma acidez meio desesperançosa, temperada com inesperada inocência. Para relembrar, seguem abaixo alguns poemas e links:

INCENSO FOSSE MÚSICA

isso de querer ser
exatamente aquilo
que a gente é
ainda vai
nos levar além

***

nunca cometo o mesmo erro
duas vezes
já cometo duas três
quatro cinco seis
até esse erro aprender
que só o erro tem vez

***

AMOR BASTANTE

quando eu vi você
tive uma idéia brilhante
foi como se eu olhasse
de dentro de um diamante
e meu olho ganhasse
mil faces num só instante

basta um instante
e você tem amor bastante

um bom poema
leva anos
cinco jogando bola,
mais cinco estudando sânscrito,
seis carregando pedra,
nove namorando a vizinha,
sete levando porrada,
quatro andando sozinho,
três mudando de cidade,
dez trocando de assunto,
uma eternidade, eu e você,
caminhando junto

***

http://www.fabiorocha.com.br/Leminski.htm

http://pauloleminskipoemas.blogspot.com/


Poesia, ainda

No embalo, uma inesquecível de Mario Quintana:

Alma Errada

Há coisas que a minha alma,

já mortificada não admite:assistir novelas de TV

ouvir música Pop

um filme apenas de corridas de automóvel

uma corrida de automóvel num filme

um livro de páginas ligadas

porque, sendo bom,

a gente abre sofregamente a dedo:

espátulas não há…

e quem é que hoje faz questão de virgindades…

E quando minha alma estraçalhada a todo instante pelos telefones

fugir desesperada

me deixará aqui,ouvindo o que todos ouvem,

bebendo o que todos bebem,

comendo o que todos comem.

A estes, a falta de alma não incomoda.

(Desconfio atéque minha pobre alma fora destinada ao habitante de outro mundo).

E ligarei o rádio a todo o volume,

gritarei como um possesso nas partidas de futebol,

seguirei, irresistivelmente,

o desfilar das grandes paradas do Exército.

E apenas sentirei, uma vez que outra,

a vaga nostalgia de não sei que mundo perdido…

Crédito para a fonte: http://kavorka.wordpress.com

Poesia, por Cecília

Uma das melhores surpresas do 1º semestre na UNICAP foi ter conhecido essa figura incrível chamada Cecília Gomes, que desde o começo me impressionou. Talvez pela maturidade precoce e por parecer um pouco comigo: calma por fora, mas agitada por dentro.  Cecília tem um blog de poesia e pequenos aforismos muito bonitos que não podem ficar guardados.

Como não posso entrar no Blogspot agora, segue o link: 

http://infinitodoser.blogspot.com/

 

Homenagem ao Velho Buk

Charles Bukowski, o velho safado, merece um post melhor. Mas não dá pra deixar de lado essa homenagem rara aqui em Recife. Espero ir ao menos algum dia…aí vai o link da matéria do DP: http://www.diariodepernambuco.com.br/2009/08/07/viver1_0.asp

Dylan and Baez = :)

Vão passar uns 100 anos pra achar um compositor pop com letras tão geniais como Bob Dylan, o maior poeta vivo do mundo. E mais 200 pra que eu entenda de fato a profundidade dessa música, que vira e mexe aparece na memória com a voz perfeita de Joan Baez (disco Vanguard Sessions – Baez sings Dylan, tem no Torrent).  

LOVE IS JUST A 4-LETTER WORD

Seems like only yesterday
I left my mind behind
Down in the Gypsy Cafe
With a friend of a friend of mine
She sat with a baby heavy on her knee
Yet spoke of life most free from slavery
With eyes that showed no trace of misery
A phrase in connection first with she I heard
That love is just a four-letter word

Outside a rambling store-front window
Cats meowed to the break of day
Me, I kept my mouth shut, too
To you I had no words to say
My experience was limited and underfed
You were talking while I hid
To the one who was the father of your kid
You probably didn’t think I did, but I heard
You say that love is just a four-letter word

I said goodbye unnoticed
Pushed towards things in my own games
Drifting in and out of lifetimes
Unmentionable by name
Searching for my double, looking for
Complete evaporation to the core
Though I tried and failed at finding any door
I must have thought that there was nothing more
Absurd than that love is just a four-letter word

Though I never knew just what you meant
When you were speaking to your man
I can only think in terms of me
And now I understand
After waking enough times to think I see
The Holy Kiss that’s supposed to last eternity
Blow up in smoke, its destiny
Falls on strangers, travels free
Yes, I know now, traps are only set by me
And I do not really need to be
Assured that love is just a four-letter word